Buscando a notícia para você desde 2007 - Região dos Lagos - Ano 2016 -

Cidade de Porto Alegre

Município no Rio Grande do Sul

Unidade federativa - Rio Grande do Sul
Região metropolitana - Porto Alegre
Municípios limítrofes - Alvorada,Cachoeirinha, Canoas , Eldorado do Sul, Nova Santa Rita, Triunfo e Viamão
Distância até a capital - 2 027 km Características geográficas
Área 496,682 km²
Área urbana 160,7 km²
Distritos Porto Alegre (distrito-único)
População 1 467 823 hab. (RS: 1º) – est. IBGE 2013
Densidade 2 955,26 hab./km²
Altitude 10 m[6]
Clima Subtropical úmido
Fuso horário UTC−3

Prefeitura www.portoalegre.rs.gov.br
Câmara www.camarapoa.rs.gov.br

Veja a História e fotos dos pontos turísticos de Porto Alegre



Porto Alegre é um município brasileiro e a capital do estado mais meridional do Brasil, o Rio Grande do Sul. 
Pertence à mesorregião metropolitana de Porto Alegre e à microrregião de Porto Alegre.Com uma área de 496,682 km², possui uma geografia diversificada, com morros, baixadas e um grande lago, o Guaíba. Distancia 2 027 quilômetros de Brasília, a capital nacional.

A cidade constituiu-se a partir da chegada de casais açorianos em meados do século XVIII. No século XIX contou com o influxo de muitos imigrantes alemães e italianos, recebendo também espanhóis, africanos, poloneses e libaneses. Sede da maior concentração urbana da região Sul e quinta mais populosa do Brasil, desenvolveu-se com rapidez e hoje abriga mais de 1,4 milhão de habitantes dentro dos limites municipais. A cidade enfrenta muitos desafios, entre eles a grande população ainda vivendo em condições de pobreza e sub-habitação, alto custo de vida, alta incidência de obesidade e tabagismo, deficiências sérias no tratamento de esgotos,muita poluição e degradação de ecossistemas originais, índices de crime elevados e crescentes problemas de trânsito.

A região do atual município de Porto Alegre já era habitada pelo homem desde 11 000 anos atrás. Por volta do ano 1000, os povos indígenas tapuias que habitavam a região foram expulsos para o interior do continente devido à chegada de povos do tronco linguístico tupi provenientes da Amazônia. No século XVI, quando chegaram os primeiros europeus à região, a mesma era habitada por um desses povos do tronco tupi, os carijós. Os carijós viriam a ser escravizados pelos colonos de origem portuguesa de São Vicente.

Porto Alegre estabeleceu-se como cidade somente no século XVIII. Até então, o território do Rio Grande do Sul ainda pertencia legalmente aos espanhóis devido ao Tratado de Tordesilhas (1494), mas, desde o século XVII, os portugueses já começavam a dirigir esforços para a sua conquista e foram progressivamente penetrando no território pelo nordeste, chegando através do Caminho dos Conventos (uma extensão da Estrada Real) à região da Vacaria dos Pinhais, e dali descendo para Viamão. A penetração foi realizada por bandeirantes que vinham em busca de escravos índios e por tropeiros que caçavam os grandes rebanhos de gado bovino, mulas e cavalos que viviam livres no estado. Mais tarde, os tropeiros passaram a se radicar no sul, transformando-se em estancieiros e solicitando a concessão de sesmarias. A primeira delas foi outorgada em 1732 a Manuel Gonçalves Ribeiro na Parada das Conchas, onde hoje é Viamão. Outra via de penetração foi através do litoral, fundando-se, em 1737, uma fortaleza onde hoje é Rio Grande, com o objetivo dar assistência à Colônia do Sacramento, no Uruguai.




Depois da assinatura do Tratado de Madrid (1750), o rei de Portugal determinou que fosse reunido um grupo de 4 000 casais dos Açores para povoar o sul, mas efetivamente foram transportados apenas cerca de mil casais, que se espalharam pelo litoral entre Osório e Rio Grande, e um pouco pelo interior. Cerca de 500 pessoas se fixaram em 1752 à beira do lago Guaíba, no chamado Porto de Viamão, o primeiro nome da futura Porto Alegre. Os conflitos locais entre portugueses e espanhóis, porém, não foram contidos pelo tratado. Rio Grande foi invadida por espanhóis em 1763, a população portuguesa fugiu e o governo da Capitania do Rio Grande de São Pedro se mudou às pressas para Viamão. O Porto de Viamão foi elevado a freguesia, com o nome de Freguesia de São Francisco do Porto dos Casais, em 26 de março de 1772, hoje estabelecida como data oficial da fundação da cidade. Em vista da sua melhor situação geográfica e estratégica, em 25 de julho de 1773 o governador da Capitania, Marcelino de Figueiredo, determinou a transferência da capital de Viamão para lá, quando a freguesia já tinha cerca de 1 500 habitantes.

Com a paz entre Portugal e Espanha conseguida no Tratado de Santo Ildefonso (1777), a posse da terra foi regularizada e começou-se a organizar a administração. Foi erguido o Palácio de Barro, primeira sede de governo, um cemitério, uma prisão, um pequeno teatro e aIgreja Matriz. Ruas foram calçadas, foi criado um serviço postal, o comércio começou a florescer, a atividade do porto se intensificou e a pequena urbe assumiu suas funções definitivamente como capital da Capitania, crescendo rapidamente. Em 1798 tinha 3 000 habitantes e, em 1814, já possuía 6 000.

Em 27 de agosto de 1808 a freguesia foi elevada à categoria de vila, verificando-se a instalação a 11 de dezembro de 1810. Em 16 de dezembro de 1812 Porto Alegre tornou-se sede da Capitania de São Pedro do Rio Grande do Sul, recém-criada, e cabeça da comarca de São Pedro do Rio Grande e Santa Catarina. Em 1814 o novo governador, Dom Diogo de Sousa, obteve a concessão de uma grande sesmaria ao norte, com o fim expresso de estimular a agricultura local. Com o crescimento de cidades próximas como Rio Pardo e Santo Antônio da Patrulha, e em vista de sua privilegiada situação geográfica, na confluência das duas maiores rotas de navegação interna - a do rio Jacuí e a da Lagoa dos Patos - Porto Alegre começava a se tornar o maior centro comercial da região. A frota permanente que frequentava o porto nessa altura contava com cerca de cem navios, e foi aberta uma alfândega. Também se iniciavam exportações de trigo e charque. Em 1816 se haviam comerciado 400 mil alqueiresde trigo para Lisboa, e em 1818 se venderam mais de 120 mil arrobas de charque, produto que logo assumiria a dianteira na economia local.

Em 1822 a vila ganhou foro de cidade. A partir de então chegaram os primeiros imigrantes alemães, instalando restaurantes, pensões, pequenas manufaturas, olarias, alambiques e diversos estabelecimentos comerciais. Como a situação econômica da Capitania não ia bem, pressionada por pesados impostos e negligenciada pelo governo imperial, em 1835 estalou em Porto Alegre a Revolução Farroupilha. Tomada em 1836 pelas tropas imperiais, a partir de então a cidade sofreu três longos cercos até o ano de 1838. Foi a resistência a esses cercos que fez D. Pedro II dar à cidade o título de "Mui Leal e Valorosa". Apesar do inchaço populacional daqueles tempos, a malha urbana só voltou a crescer em 1845, após o fim da revolução e com a derrubada das muralhas que cercavam a cidade.

No período de 1865 a 1870 a Guerra do Paraguai transformou a capital gaúcha na cidade mais próxima do teatro de operações. A cidade recebeu dinheiro do governo central, além de serviço telegráfico, novos estaleiros, quartéis e melhorias na área portuária. Em 1872 as primeiras linhas de bonde entraram em circulação. Construiu-se a Usina do Gasômetro (1874) para geração de energia e implantou-se uma rede de esgotos (1899), enquanto que os bairros da cidade se expandiam. Na segunda metade do século, enfim a cultura local pôde receber mais atenção, construindo-se um grande teatro, o Theatro São Pedro, e surgindo os primeiros literatos, educadores, músicos e pintores locais de expressão, como Antônio Vale Caldre Fião, Hilário Ribeiro, Luciana de Abreu, Pedro Weingärtner, Apolinário Porto-Alegre, Joaquim Mendanha e Carlos von Koseritz. Fundou-se a Sociedade Parthenon Litterario, formada pela flor da intelectualidade gaúcha, e em 1875 foi realizado o primeiro salão de artes.




Na virada do século XX Porto Alegre passou a ser imaginada como o cartão de visitas do Rio Grande do Sul, ideia alinhada com os propósitos do Positivismo, corrente filosófica abraçada pelos governos estadual e municipal, e por isso a cidade deveria transmitir uma impressão de ordem e progresso. Para transformar a ideia em fato, a Intendência, a cuja testa estava José Montaury, iniciou um enorme programa de obras públicas. Montaury permaneceu no governo municipal por 27 anos, sendo sucedido por Otávio Rocha e Alberto Bins, que em linhas gerais mantiveram a mesma orientação. A fim de melhor controlar o processo de desenvolvimento, o município atraiu para si a responsabilidade sobre muitos serviços públicos, como o fornecimento de água encanada, iluminação, transporte, educação,policiamento, saneamento e assistência social, em um volume que ultrapassava em muito o hábito da época e superava o que faziam na mesma altura São Paulo e Rio de Janeiro. Contudo, o crescimento do funcionalismo público e a quantidade de obras demandaram recursos além das capacidades de arrecadação, e foram contraídos grandes empréstimos. Na cultura foi um marco a fundação em 1908 do Instituto Livre de Belas Artes, antecessor do atual Instituto de Artes da UFRGS, que concentrou a produção de arte na capital e foi em todo o estado praticamente a única referência institucional significativa até a década de 1960 nos campos do estudo, ensino e produção de arte

Em 1940 o município contava com cerca de 385 mil habitantes e seus índices de crescimento eram positivos para a indústria, aconstrução civil, a educação, a saúde, a eletrificação, o saneamento, o movimento portuário, os transportes e as obras de urbanização. A ligação rodoviária e aérea com o centro do Brasil foi incrementada e a rede ferroviária para o interior do estado se expandia.[48] No encerramento dos anos 1950 foi implantado o primeiro Plano Diretor, composto com base na Carta de Atenas. Para Helton Bello, com este Plano se acentuou a verticalização da cidade, fazendo Porto Alegre conhecer o maior crescimento edilício de sua história, o que alterou significativamente a morfologia urbana.

A segunda metade do século XX foi caracterizada por um acelerado crescimento urbano e populacional, e os sucessivos administradores se empenharam novamente em uma série de investimentos em obras públicas, enquanto a cidade via desaparecer, sob a onda do progresso, boa parte de suas edificações antigas. Paralelamente, a cultura de Porto Alegre se caracterizou por um forte colorido político, reunindo expressivo grupo de intelectuais e produtores artísticos influentes alinhados ao Existencialismo e ao Comunismo. Entre o fim da década de 1950 e os anos que precederam o golpe militar de 64 foram montadas peças teatrais de vanguarda, em polêmicas abordagens de crítica social; as artes plásticas mostravam uma arte realista/expressionista de mesmo perfil, que por vezes adquiria um tom panfletário. Quanto ao golpe, Porto Alegre foi o palco de importantes movimentos políticos que levaram à sua concretização, comandados pelo então governador Ildo Meneghetti a partir do Palácio Piratini. Porto Alegre nas últimas décadas se tornou uma das grandes metrópoles brasileiras, internacionalizou sua cultura, tornou-se um modelo de administração pública, dinamizou sua economia a ponto de se tornar uma das cidades mais ricas do mundo, e alcançou altos níveis de qualidade de vida, mas ao mesmo tempo passou a experimentar os problemas que afligem outros grandes centros urbanos do Brasil, com o surgimento de favelas, de dificuldades no trânsito e crescimento da poluição e dos índices de criminalidade.

Geografia

Porto Alegre originalmente se dividia em distritos, forma documentada pela primeira vez em 1892. Em 1927 se procedeu à divisão por zonas (urbana, suburbana e rural) e distritos, subdividindo-os em seções.Na década de 1950 foi formulada a divisão por bairros. O primeiro a ser criado foi o Medianeira, em 1957, e outros 57 surgiram por força da Lei nº 2022 de 7 de dezembro de 1959. Entre 1963 e 1998 foram criados diversos outros, e alguns dos primeiros tiveram limites retificados. Os últimos a serem criados foram o Jardim Isabel, Chapéu do Sol e Campo Novo, ambos em 2011. Porto Alegre em 2014 possuía oficialmente 81 bairros. O bairro mais extenso é o Arquipélago, com 4 718 ha, e o menor o Bom Fim, com 38 habitantes. Ainda existem algumas áreas sem denominação oficial, descritas como Zona Indefinida e que são conhecidas por nomes atribuídos popularmente, como é caso do Morro Santana, Passo das Pedras e Aberta dos Morros. Em 2000 a Zona Indefinida possuía 10 290 habitantes, com uma população de 115 671 pessoas.

Porto Alegre pode ser dividida em dez macrozonas de organização espacial urbana, "cada uma com diferentes padrões de desenvolvimento urbano, espaços públicos de natureza e funções diversas, tipologia de edificações e estruturação viária distintas, além de aspectos socioeconômicos, paisagísticos e ambientais e potencial de crescimento próprios". A Cidade Radio cêntrica compreende o Centro Histórico, com uma trama radial de elevada densidade demográfica. Ao norte situa-se o Corredor de Desenvolvimento, área de potencial econômico e localização privilegiada pela presença de vias de ligação com os principais polos da Região Metropolitana, mas é uma área pouco residencial e vem sendo ocupada por favelas. Ao sul encontra-se a Cidade Xadrez, de malha viária ortogonal, resultado da expansão planejada da cidade naquela direção. A Cidade de Transição caracteriza-se pela passagem de uma ocupação mais densa para uma urbanização rarefeita e mais concentrada no topo dos morros. Na margem sudoeste do Guaíba está a Cidade Jardim, predominando residências e densa arborização. No limite leste encontra-se o Eixo Lomba do Pinheiro, com grande número de vilas populares e favelas. No centro-sul situa-se a Restinga, que nasceu com o objetivo de assentar a população de baixa renda removida de áreas de ocupação irregular. No extremo sul encontra-se a Cidade Rural-Urbana, uma vasta área de ocupação rarefeita, misturando diferentes graus de atividade rural e urbana. As Ilhas do Delta do Jacuí possuem alguns pontos de urbanização e uma grande área de preservação natural, de importância 

Vamos viajar virtualmente pelos pontos turísticos da Porto Alegre





Parque da Redenção

Carinhosamente chamado de Redenção, o Parque Farroupilha é uma grande área verde próxima ao centro da cidade com inúmeros atrativos, tais como o parque de diversões Parquinho da Redenção, o Mercado Bom Fim, quadras esportivas, o Minizoo, o Café do Lago, entre outras. O parque é adotado como ponto de encontro tradicional dos porto-alegrenses. As pessoas tomam conta da rua e dos gramados do parque para conversar e tomar chimarrão. O parque constitui também um espaço aberto para manifestações culturais de todos os tipos.



Imperdível: O Brique da Redenção é uma grande feira ao ar-livre que ocorre todos os domingos pela manhã, onde é exposto todo tipo de mercadoria: antiguidades, coleções, artesanato, móveis, roupas, objetos de arte e alimentos. Ainda é possível presenciar várias manifestações culturais típicas da cidade, como apresentações musicais e de teatro, performances de ambulantes, passeatas, entre outras.

Rua da Praia

A Rua dos Andradas, chamada de Rua da Praia pelos porto-alegrenses, é o berço de Porto Alegre, onde já desfilaram as tropas gaúchas que participaram das maiores revoluções do país. Hoje abriga desde instalações comerciais até preciosos patrimônios arquitetônicos e culturais. Caminhando por essa rua histórica, encontramos o Centro Cultural CEEE Érico Veríssimo, a Praça da Alfândega, o Museu da Comunicação Social Hipólito José da Costa, a Casa de Cultura Mario Quintana, a Igreja das Dores, uma das mais antigas da cidade e o Museu da Brigada Militar.



Imperdível: A Casa de Cultura Mário Quintana, um centro cultural criado a partir da reforma de um antigo hotel da cidade, onde morava o poeta Mario Quintana. O prédio mantém a arquitetura preservada, bem como a suíte onde vivia o escritor. Além disso, nela há dois teatros, um auditório, três cinemas, três cafés, biblioteca, hemeroteca e muitas outras atrações culturais.

Praça da Matriz

Com o monumento a Júlio de Castilhos em seu centro, esta praça é um dos pontos turísticos mais importantes da cidade. Ao redor dela, está o Palácio Farroupilha, onde funciona a Assembleia Legislativa, Palácio Piratini, sede do governo do Estado, a Catedral Metropolitana, o Museu Júlio de Castilhos, o Solar dos Câmara e o Theatro São Pedro.



Imperdível: A Catedral Metropolitana, que data do início do século XIX, com sua cúpula que pode ser vista de vários pontos da cidade. Atrás da catedral, na rua Espírito Santo, fica localizada a Cúria Metropolitana de Porto Alegre, sede da arquidiocese da cidade.

Usina do Gasômetro

Um dos mais conhecidos centros culturais da cidade. Possui café, sala de cinema e espaços culturais, onde são apresentadas palestras, peças de teatro e shows, entre outros tantos eventos. Construída a partir da reforma da usina termoelétrica de Porto Alegre, a Usina de Gás de Hidrogênio Carbonado, que fornecia gás destinado à iluminação pública e abastecimento de fogões. A chaminé de 117 metros, que permanece preservada, foi construída em 1937 para amenizar os problemas causados pela emissão de fuligem. A usina foi desativada em 1970, entrando a partir daí, em processo de deteriorização. Pensou-se em demoli-la, mas houve reação da sociedade e ela foi reformada, tombada e transformada em centro cultural.



Imperdível: A vista do terraço da Usina, de onde pode apreciar-se a extensão do Guaíba. Também pode-se apreciar o pôr-do-sol da área gramada ao redor da Usina e do mirante localizado ao lado do prédio.

Mercado Público

Construído no século XIX, destaca-se atualmente como centro de compras de artigos variados, além de oferecer opções gastronômicas, feiras temáticas (como a de gibis, a de vinis e a de material escolar), acesso a Internet grátis e um memorial, que conta toda sua história e desenvolvimento.



Imperdível: Os sorvetes da tradicional Banca 40, os grãos da Macrobiótica Sauer, as bancas de peixes e o bolinho de bacalhau do Gambrinus.

Praça da Alfândega

Tradicional praça do centro, abriga uma feira permanente de artesanato, e a estátua de Mario Quintana e Érico Veríssimo, os dois grandes escritores gaúchos. Três famosos museus da cidade estão ali localizados: O Santander Cultural, que está sempre em dia com a arte contemporânea; o Memorial do Rio Grande do Sul, espaço que estimula o contato com as raízes e tradições históricas do povo gaúcho; e o MARGS, Museu de Arte do Rio Grande do Sul, que com seu acervo e exposições itinerante dialoga com as artes plásticas de todos os tempos.



Imperdível: Na segunda quinzena de outubro, a Praça da Alfândega recebe a Feira do Livro de Porto Alegre. A Feira, com mais de 55 anos de tradição, reúne livreiros escritores e leitores, oferecendo grandes saldos, descontos e promoções, além de intensa programação cultural.

Fundação Iberê Camargo

À beira do Guaíba, o mais novo ponto turístico da Capital foi construído pelo arquiteto português Álvaro Siza. Ele abriga o acervo de obras do importante artista plástico gaúcho Iberê Camargo e recebe exposições itinerantes. Possui também uma loja de souvenires em seu interior que vende livros de arte e artesanato fino.



Imperdível: o prédio do museu tem poucas e pequenas janelas, mas de cada uma delas é possível ter uma vista diferente do Guaíba e do bairro que abriga o Museu. Vale se deter e comparar os efeitos desta "brincadeira arquitetônica".

Prefeitura Municipal

Localizada bem ao centro da cidade, ao lado do Mercado Público, a Prefeitura foi restaurada recentemente. Em seu interior, encontram-se várias esculturas, quadros e vitrais vindos da França, em 1869. Sua arquitetura é inspirada no positivismo, que marcou forte presença na época de sua construção. À frente, está a Fonte Talavera de La Reina e os leões, que representam força e poder no marco zero da capital gaúcha. Visitas guiadas são oferecidas mediante agendamento.



Cinema em Porto Alegre

A cidade conta com mais de 70 salas de cinema, onde é possível conferir os últimos lançamentos da indústria cinematográfica. Há também uma série de mostras temáticas e eventos específicos que apresentam desde produções locais até filmes estrangeiros independentes. Há ainda salas, como a rede Guion, o Unibanco Arteplex, o Cine Santander e as salas da Casa de Cultura Mário Quintana que exibem filmes alternativos, documentários e raridades cinematográficas.

Imperdível: O Guion Center, no Shopping Nova Olaria, tem sempre em cartaz novidades do cinema europeu e latinoamericano em película, legendados. Oferece ainda mais conforto para seus espectadores, com as fileiras de poltronas distanciadas em dois metros, além de pufes para o descanso dos pés.

Espetáculos em Porto Alegre

Porto Alegre se destaca quando o assunto é programação cultural: a capital dos gaúchos está repleta de opções para todos os gostos e bolsos. Oferece uma intensa programação de teatro com destaque para a variada produção local durante todo o ano. A capital também faz parte da rota de turnês de shows de música internacionais, além de ter sempre presente na agenda apresentações de dança, concertos e saraus. A cidade tem uma orquestra sinfônica, a Ospa, que realiza concertos semanais abertos ao público em diversos teatros da Capital, enquanto está sendo construída sua nova casa, um teatro de câmara especialmente projetado para apresentações musicais.



Imperdível: Um espetáculo à parte é o belíssimo Theatro São Pedro, mais antigo da cidade, que dispõe de visitas guiadas mediante agendamento. Inaugurado em 27 de junho de 1858, em estilo neoclássico, o teatro possuía uma construção gêmea do outro lado da rua, onde hoje está a Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul. Em abril de 1973, o teatro foi interditado por "absoluta falta de condições técnicas", e as obras de restauração iniciaram em 1975, sob a orientação de Eva Sopher. A reinauguração ocorreu em 1984 e o teatro está em pleno funcionamento até hoje, sempre com a agenda cheia de espetáculos de ótima qualidade.

Bairro Moinhos de Vento

O bairro Moinhos de Vento é um dos mais chiques da cidade e oferece opções de lazer, compras, entretenimento e serviços. Abriga o Moinhos Shopping, considerado um dos mais elegantes da cidade por oferecer lojas de marcas famosas e restaurantes tradicionais, além de uma unidade do SAT - Serviço de Atenção ao Turista. Integrado ao shopping está o Sheraton Hotel, uma das opções de hotel de luxo cidade. Para a noite, o bairro dispõe de diversas opções de bares, restaurantes e casas noturnas bastante requintados nas ruas Padre Chagas, também chamada de Calçada da Fama, Fernando Gomes e Goethe.

Imperdível: O destaque é o Parque Moinhos de Vento, mais conhecido como Parcão. Possui equipamentos de recreação infantil para crianças portadoras de necessidades especiais, pista de patinação, quadras esportivas, lago artificial e uma réplica de um moinho de vento açoriano que relembra a história do bairro.

Caminhos Rurais

Porto Alegre conta com uma rica área rural, localizada na Zona Sul da cidade. Por isso, no roteiro turístico Caminhos Rurais, é possível vivenciar o dia-a-dia dos agricultores, colher fruta no pé, apreciar a paisagem, degustar produtos coloniais, fazer trilhas ecológicas e visitar áreas de preservação ambiental, açudes para pesca e recreação infantil.

Imperdível: É possível ter uma vista panorâmica da cidade, no Morro Pedra Redonda, a partir do Santuário Mãe de Deus, que homenageia a padroeira da cidade.

City Tour

A Linha Turismo é uma visita guiada pela cidade em um ônibus de dois andares, cujo piso superior é aberto e proporciona uma vista panorâmica dos mais de 20 atrativos ao longo do percurso. Com sistema de áudio em português, inglês e espanhol e guia especializado, o ônibus percorre 11 bairros da Capital, em cerca de 80 minutos. Seu terminal está localizado no bairro Cidade Baixa, onde opção noturna alternativa e descontraída não falta. Há também a Linha Turismo Zona Sul, que percorre nove bairros dessa região, visitando os pontos turísticos e oferecendo informações sobre os mesmos.

Estádios da Dupla Gre-Nal

Porto Alegre é uma das poucas cidades no mundo com dois times campeões mundiais, o Grêmio e o Internacional. Não bastassem a consagração dos títulos e a projeção de ídolos, em Porto Alegre acontece uma das rivalidades mais clássicas e marcantes do futebol brasileiro: o Gre-Nal, que veste de azul e vermelho os estádios, mesas de bar, parques e avenidas. A Secretaria Municipal de Turismo e algumas agências de turismo oferecem uma visita guiada especial a estes locais.

Imperdível: Estádios Arena do Grêmio e Gigante da Beira-Rio, cada um com suas histórias de paixão e glória.

O pôr do Sol de Porto Alegre

Um dos principais cartões postais de Porto Alegre pode ser admirado no parque Marinha do Brasil, que além dos espaços de esportes radicais e da maior pista de skate do Brasil, possui também um anfiteatro na orla do Guaíba e um disputado local para caminhadas e uma ciclovia. Pode-se também admirar o pôr do sol no Morro do Osso e no calçadão de Ipanema, que, além de ter uma vista privilegiada e ter espaço para a prática de esportes náuticos, também é uma opção noturna de diversão com seus inúmeros bares.



Passeios Náuticos

O ecossistema do Guaíba e seus afluentes Rio Jacuí, Gravataí, dos Sinos e Caí (o Delta do Jacuí) são outros belos motivos para entrar na água e aproveitar o serviço de barcos, escunas e veleiros, que fazem belos passeios pelo arquipélago.

Imperdível: Passeio de barco pelo delta do Jacuí.

Os Antiquários

Um shopping a céu aberto? Isso mesmo: o Caminho dos Antiquários é um passeio cultural onde se encontram antiguidades e um comércio efervescente de serviços, lojas, cafés, bares, restaurantes e muito mais. Já a Feira do Caminho dos Antiquários ocorre aos sábados, e nela móveis e objetos antigos são expostos nas ruas e calçadas, juntamente com produções de artistas plásticos e artesãos. Cerca de 50 expositores e lojistas espalham o brilho das pratarias, dos móveis, o encanto das louças, esculturas e cristais antigos, raridades, curiosidades e colecionáveis.



Outras atrações dividem a atenção da feira e variam a cada sábado, como apresentações artísticas e musicais, exposições curiosas e culturais, desfiles, festas, desenhistas e convidados especiais. Há também uma atração fixa: no horário das 11h às 12h todos, são convidados a terem aulas gratuitas de dança. E no último sábado de cada mês acontece o Viva o Centro a Pé: um passeio gratuito que dura aproximadamente 2h pelo centro da cidade com guia, geralmente um professor universitário, mostrando os principais pontos turísticos e históricos de Porto Alegre. A cada sábado um roteiro diferente.

Culinária Típica

A culinária gaúcha reúne a gastronomia étnica e típica. Uma opção tradicional é o Peixe na Taquara, preparado e servido por pescadores da Ilha da Pintada. Outro destaque são as churrascarias que apresentam shows com músicas nativistas e danças folclóricas, como a Vitrine Gaúcha, Zequinha e Galpão Crioulo. Os centros de Tradições Gaúchas (CTGs) recebem com prazer aqueles que desejam conhecer a cultura gaúcha.

Compras na Capital

Porto Alegre conta com muitos centros de compras. Em especial está o centro da cidade, com alta concentração de lojas, que oferecem praticamente todo o tipo de produto. Há também vários shoppings, que além de facilidades como ar-condicionado, estacionamento e praça de alimentação, disponibilizam lojas de grande marcas, como Nike, Polishop, H. Stern e muitas outras. Imperdível: as livrarias localizadas em shoppings, especialmente, no BarraShoppingSul, onde se encontra a Fnac, e no Bourbon Shopping Country, onde está a Livraria Cultura.



Fontes e Fotos :
www.hagah.com.br
pt.wikipedia.org